Powered by Jasper Roberts - Blog

O que é nacional é mau?

Artigo de Pedro Adão e Silva.


As explicações para o que se tem passado no sistema financeiro português assentam numa combinação intricada de comportamentos desviantes de banqueiros, risco moral, falhas graves de regulação e facilitismo na concessão de crédito. Pelo caminho, as crises de 2008 das dívidas soberanas arrastaram o rating da República e encarregaram-se de pôr a nu os problemas endémicos da economia portuguesa. Podia ter sido diferente? Não só podia como devia. de tal forma que, hoje, uma parte importante da crise de legitimidade do regime é consequência da obrigação de salvar bancos com dinheiros públicos, ao mesmo tempo que a austeridade vai tomando conta do Estado social.

Apesar de tudo, convém não confundirmos as causas que explicam a derrocada de uma parte dos bancos com as consequências deste processo. A indignação que se pressente é absolutamente justificada, mas pode bem funcionar como uma cortina de fumo, capaz de ocultar o propósito último do desmantelamento do sistema bancário português.
É comummente dito que alguns bancos são grandes de mais para caírem. Foi esse o argumento utilizado desde o início da crise para que recursos públicos sejam utilizados para resgatar o sistema financeiro: as consequências do colapso de um banco com risco sistémico seriam tais que, em última análise, os custos do resgate são inferiores às consequências económicas, sociais e financeiras de um falência, mesmo que controlada.

No caso português, talvez o ponto seja outro. É claro que mesmo um banco com uma quota de mercado reduzida (o caso do BANIF), num contexto de incerteza como o que vivemos, representa um risco que vai para além do sugerido pelos números. Como escrevi na semana passada, a liquidação de um banco é uma solução de tal forma incerta que o melhor é não ser experimentada.

Não nos deixemos, contudo, iludir. O que se passou ao longo dos últimos anos está a traduzir-se numa mudança radical do panorama bancário português e o que é sugerido é que os bancos portugueses são pequenos de mais para existirem. Com a Europa a promover ativamente a concentração, podemos bem estar a assistir a um movimento que colocará fim a um sistema financeiro de base nacional, com músculo suficiente para garantir a nossa soberania económica (logo política). daqui a um par de anos, Portugal pode ter apenas umas banquetas regionais (o que só torna mais necessário manter pública a Caixa). E desengane-se quem julga que ter a operar em Portugal bancos estrangeiros é, para as empresas e para o investimento nacionais, o mesmo que termos bancos portugueses.

Hoje é tentador e legítimo expressarmos a nossa indignação com o que a banca, o regulador e o Governo permitiram que ocorresse, mas, talvez, não seja má ideia refletirmos sobre as armadilhas em que estamos a cair enquanto os grandes bancos portugueses, de facto, deixam de o ser.


Artigo publicado no Expresso.