Powered by Jasper Roberts - Blog

Dossier Grécia: introdução

Artigo de Ana Costa.


A profunda confissão de Varoufakis, ministro das finanças do governo grego do Syriza, sobre o seu marxismo errático prende-se com a natureza repugnante da crise europeia. Varoufakis começa por considerar existirem duas estratégias possíveis para desafiar a economia convencional: a construção de teorias alternativas, que arriscam nunca serem levadas a sério por quem pensa como um verdadeiro economista, ou a aceitação dos axiomas em que a economia convencional se fundamenta para em seguida expor as suas contradições internas. Esta foi a estratégia seguida por Marx para criticar a Economia Política dos séculos XVIII e XIX e mostrar a natureza contraditória do capitalismo. A analogia pode fazer-se ao nível da crise europeia.  Trata-se de privilegiar uma estratégia de reforço das instituições políticas da Europa, no âmbito de um “europeísmo descentralizado”, para salvar o euro e estabilizar o capitalismo europeu enquanto se procura ganhar tempo e espaço para desenvolver uma alternativa verdadeiramente humanista.

Varoufakis considera ser um dever histórico e moral da esquerda, nas atuais circunstâncias, abdicar de uma agenda radical que tivesse como fim último a substituição do capitalismo europeu por um sistema diferente e melhor. A justificação é que as pessoas não podem ser tratadas como meios ao serviço de um qualquer fim, seja ele o dos interesses dos credores e do capital financeiro, ou de uma agenda política qualquer ainda que progressista. Assim o único fim em termos do qual se devem avaliar criticamente as consequências da prossecução de outros fins, e de qualquer agenda política, é o da dignidade humana. A afirmação deste princípio, deste pensamento, pode não passar de uma mera ilusão no âmbito da União Económica e Monetária. É esta a razão da crise europeia ser tão repugnante. E é por isso que a Grécia, mas não só a Grécia, também a Europa, estão numa situação terrível e trágica. A proposta de que Varoufakis é co-autor, sendo modesta porque se conforma com os tratados europeus, é radical porque desafia as elites europeias, porque expõe a sua irracionalidade e estupidez.

Não parece que o bom senso desta modesta proposta vá alterar as políticas de austeridade que têm sido prosseguidas. Faz por isso sentido continuar a perguntar Tempo para quê?, como faz Alexandre Abreu, e de ler a interpretação de Stathis Kouvelakis, professor de filosofia política em Londres e membro do comité central do Syriza, sobre as negociações entre o governo grego e o Eurogrupo. Costas Lapavitsas, economista e professor da SOAS em Londres, defende que não existe qualquer possibilidade de mudança de políticas na atual arquitectura do euro e que só uma saída da União Económica e Monetária poderá travar as políticas de austeridade.